Categorização dos sujeitos em condição de vulnerabilidade: uma revisão na perspectiva da bioética

Ricardo de Amorim Cini, Caroline Filla Rosaneli, Anor Sganzerla

Resumen


A utilização da expressão vulnerabilidade no discurso da bioética, como conceito ou realidade, tornou-se cada vez mais recorrente. Seu primeiro e mais importante uso se deu na proteção de sujeitos em experimentos, mas expandiu-se para outras situações. Esta pesquisa buscou categorizar quem são esses sujeitos ou realidades classificadas como vulneráveis através de uma busca nas bases de dados Scielo.BR, Scielo.ORG e Lilacs, utilizando os descritores “bioética” e “vulnerabilidade”. Através da análise de 79 artigos, identificaram-se quatro grandes categorias agrupadas em vulnerabilidade enquanto: [1] fases da vida e gênero; [2] saúde, doença e pesquisa; [3] exclusões sociais, econômicas, culturais e políticas; [4] e meio ambiente. Essa categorização demonstra que a reflexão da bioética a respeito da vulnerabilidade ainda é predominantemente antropocêntrica, tornando a proteção da dignidade da vida em sua totalidade ainda um desafio a ser enfrentado pelo seu discurso.


Palabras clave


vulnerabilidade; bioética; vida humana; extra-humana

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Almeida, L. D. (2010). Suscetibilidade: novo sentido para a vulnerabilidade. Revista Bioética, 18(3), 537-548.

Barbosa-Fohrmann, A. P. (2015). Boa vontade e beneficência para pessoas com deficiência mental extrema? Revisitando a teoria moral de Kant. [online] Revista Bioética y Derecho, 35, 108‐120. Recuperado de http://revistes.ub.edu/index.php/RBD/article/view/14285/17540.

Braña, G. M. R., & Grisólia, C. K. (2012). Bio(ética) ambiental: estratégia para enfrentar a vulnerabilidade planetária. Revista bioética, 20(1), 41-48.

Braz, M., & Schramm, F. R. (2011). Bioética e pesquisa em saúde mental. [online] Ciênc. saúde coletiva, 16(4), 2035-2044. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n4/v16n4a02.pdf

Becchi, P. (2008). La vulnerabilità dela vita: contributi su Hans Jonas. Genova: Editora La Scuola di Pitagora.

Caetano, R., & Garrafa, V. (2014). Comunicação como ferramenta para divulgar e promover a Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. Revista Bioética, 22(1), 34-44.

Capella, V.B. (2012). Ética de la asistencia primaria a los niños de procedencia internacional. [online] Acta Bioethica, 18(2), 189-198. Recuperado de http://www.scielo.cl/pdf/abioeth/v18n2/art07.pdf.

Corgozinho, M. M., & Oliveira, A. A. S. (2016). Equidade em saúde como marco ético da bioética. Saúde Soc. São Paulo, 25(2), 431-441.

Correa, F. J. L. (2011). Pobreza, vulnerabilidad y calidad de vida en América Latina: retos para la bioética. Acta Bioethica, 17(1), 19-29.

Cosac, D. C. S. (2017). Autonomia, consentimento e vulnerabilidade do participante de pesquisa clínica. Revista Bioética, 25(1), 19-29.

Crippa, A., Loureiro, F., & Gomes, I. (2016). Vulnerabilidade social na doença de Alzheimer: busca por Direitos. [online] Revista Latinoamericana de Bioética, 16(1), 198-219. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/rlb/v16n1/v16n1a11.pdf

Cunha, T., & Garafa, V. (2017). Vulnerability. A key principle for Global Bioethics? Cambridge Quarterly of Healthcare Ethics, 25(2), 197-208.

Díaz, F. A. G. (2009). Aspectos bioéticos del consentimiento informado em investigación biomédica com población vulnerable. [online] Revista latinoamericana de bioética, 9(2), 8-27. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/1270/127020306002.pdf

Figueira, A. C. S. (2010). Consentimento e proteção de adultos e crianças: dilemas comuns e peculiares em países em desenvolvimento. Revista Bioética, 18(3), 691-703.

Fischer, M. L., Cunha, T. R., Rosaneli, C. F., Molinari, R. B., & Sganzerla, A. (2016). Crise hídrica em publicações científicas: olhares da bioética ambiental. Revista Ambiente e Água, 11(3), 586-600.

Garrafa, V. (2005). Inclusão social no contexto político da Bioética. Revista Brasileira de Bioética, 1(2), 122-132.

García-Scougall, J. P., & Quintanilla, G. R. C. (2015). Fundamentación de los derechos humanos del embrión. [online] Perspectiva Bioética, 19(2), 264-277. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/pebi/v19n2/v19n2a06.pdf

Gómez, M. L., Sevilla, M. L., & Álvarez, N. (2008). Vulnerabilidad de los niños de la calle. Acta Bioethica, 14(2), 219-223.

Guerra, K., & Ventura, M. (2017). Bioética, imigração e assistência à saúde: tensões e convergências sobre o direito humano à saúde no Brasil na integração regional dos países. Caderno de Saúde Coletiva, 25(1), 123-129.

Guimarães Junior, A. R. (2007). A Bioética da Proteção e a População Transexual Feminina. (Dissertação de Mestrado). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro.

Jonas, H. (2004). O princípio vida: fundamentos para uma biologia filosófica. Tradução de Carlos Almeida Pereira. Petrólolis: Editora Vozes.

Jonas, H. (2006). O princípio responsabilidade: ensaios de uma ética para a civilização tecnológica. Tradução de Marijane Lisboa e Luiz Barros Montez. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed. PUC-Rio.

Limas, A. A. F. (2012). Doação de órgãos para transplante: conflitos éticos na percepção do profissional. Mundo saúde, 36(1), 27-33.

Menezes, S. R. T., Priel, M. R., & Pereira, L. L. (2011). Autonomia e vulnerabilidade do enfermeiro na prática da Sistematização da Assistência de Enfermagem. [online] Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(4), 953-958. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n4/v45n4a23.pdf

Nascimento, W. F., & Martorell, L. B. (2013). A bioética de intervenção em contextos descoloniais. Revista Bioética, 21(3), 423-431.

Neves, M. P. (2006). Sentidos da vulnerabilidade: característica, condição, princípio. Revista Brasileira de Bioética, 2(2), 157-172.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura [UNESCO]. (2006). Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. Portugal. Recuperado de: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001461/146180por.pdf

Ortona, C., & Fortes, P. (2015). Journalists want virtuous physicians?: An analysis by the model of Ethic of Virtues, in reference to Beneficence, according to Pellegrino and Thomasma. [online] Acta bioeth., 21(1), 109-116. Recuperado de http://www.scielo.cl/pdf/abioeth/v21n1/art14.pdf

Potter, V. R. (1971). Bioethics: bridge to the future. Englewood Cliffs, N. J. Prentice-Hall, 205.

Ramos-Vergara, P., & Arenas-Massa, A. (2015). Algunas conceptualizaciones acerca de la dignidad del anciano en bioderecho. Perspectiva Bioética, 19(1), 25-35.

Reyes, R. C. M. (2016). Discapacidad y tecnosocieda. Revista Latinoamericana de Bioética, 16(2), 118-139.

The National Commission for the Protection of Human Subjects of Biomedical and Behavioral Research [NCPHSBBR]. (1979) The Belmont Report: ethical principles and guidelines for the protection of human subjects of research. DHEW Publications No. (OS)78-0012. Washington: D.C. Recuperado de https://archive.org/stream/belmontreporteth00unit#page/n1/mode/2up/search/vulnerab

Sandi, S. F., & Braz, M. (2010). As mulheres brasileiras e o aborto: uma abordagem bioética na saúde pública. Revista Bioética, 18(1), 131-153.

Santos, D. O., Gomes, F. A., Teixeira, K. R., Roever, L., Fuzissaki, M. A., Faleiros, T., & Lima, T. C. (2017). Vulnerabilidade de adolescentes em pesquisa e prática clínica. Revista Bioética, 25(1), 72-81.

Schramm, F. R. (2008). Bioética da Proteção: ferramenta válida para enfrentar problemas morais na era da globalização. Revista Bioética, 16(1), 11-23.

Silva, M. F. (2017). Consentimento informado: estratégia para mitigar a vulnerabilidade na assistência hospitalar. [online] Revista bioética, 25(1), 30-38. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/bioet/v25n1/1983-8042-bioet-25-01-0030.pdf

Sitta, E. I., Bretanha, A. C., Beraldinelle, R., Sales-Peres, A., & Sales-Peres, S. H. C. (2011). Universitários como sujeitos de pesquisa: aspectos éticos e legais. Caderno de Saúde Coletiva, 19(1), 117-121.

Sotero, M. (2011). Vulnerabilidade e vulneração: população de rua, uma questão ética. Revista Bioética, 19(3), 799-817.




DOI: https://doi.org/10.14422/rib.i05.y2017.002

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Revista Iberoamericana de Bioética (ISSN 2529-9573) editada por Universidad Pontificia Comillas se encuentra bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional
 

Revista Iberoamericana de Bioética

Universidad Pontificia Comillas

Universidad de Comillas, 3-5 - 28049 Madrid