Melhoramento ético das práticas em saúde: Comitês de Bioética em Espanha e Brasil

Doris Gomes, Mirelle Finkler, Juan Carlos Siurana Aparisi

Resumen


 

O compartilhamento solidário de experiências entre Brasil e Espanha reposiciona a importância de novos espaços democráticos de participação cidadã e debate ético-político, suscitando questões como: a participação em Comitês Bioéticos pode ir em direção às necessiades-interesses sociais presentes na singularidade da relação profissional-paciente e equipe de saúde? No Brasil, a participação dos profissionais em fóruns construídos para ampliação do controle social e debate da ética, avança como permanente desafio. A ampliação da deliberação em coletivos de debate e equipes de saúde, precisa assumir novo sentido público social na construção da relação profissional-usuário-sistema de saúde-sociedade.



Palabras clave


bioética; comitês de bioética; ética; deliberação

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


,2 Cortina, A. (2015). Prólogo. In Esquembre, C. O., Piqueras, A. R., Valero, V. P., Rubio, C. R. El mejoramiento humano: avanços, investigaciones y reflexiones éticas y políticas. Granada: Editorial Comares.

Pochmann, M. (2012). Trabalho e formação. Educ Real, 37 (2) 491-508.

Cortina, A. (2003). El quehacer público de la ética aplicada. In Cortina A., García-Marzá, D. (org). Razón pública y éticas aplicadas. Madrid: Tecnos, 11-44.

Gomes, D., Siurana-Aparisi, J. C. (2017). Deliberação Coletiva: uma contribuição contemporânea da Bioética Brasileira para as práticas do SUS. [Versión digital] Rev. Trabalho Educação e Saúde. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/2017nahead/1678-1007-tes-1981-7746-sol00052.pdf.

UNESCO (2006). Divisão de ética da ciência e tecnologia. Guía No 2. Funcionamiento de los comités de bioética: procedimientos y políticas. Paris: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

España. Ministério de la Presidencia. Agencia Estatal Boletín Oficial del Estado (2004). [Acessado 2015 set 07]. Disponível em: https://www.boe.es/buscar/doc.php?id=BOE-A-2004-2316.

España. Ministério de la Presidência. Agencia Estatal Boletín Oficial del Estado (2007). [Acessado 2015 set 03]. Disponível em: https://www.boe.es/buscar/doc.php?id=BOE-A-2007-12945.

Comitê de bioética assistencial do Departamento de salud Valencia clínico Malva-Rosa (2011). De la biética a la ética clínica. Valência: CD Formación Continua.

Álvarez, F. C. (2000). Relación de los comités asistenciales de ética con la institución judicial. In Comitês de ética asistencial. Madrid: Asociación de bioética fundamental e clínica.

Beca, J. P. (2011). Consultores en ética clínica y sus funciones. In Grandes, L. F., Gracia, D., Sánchez, M. (org). Bioética: el estado de la cuestión. Madrid: Triacastela, 16-40.

Siurana-Aparisi, J. C. (2007). Comités de ética em la empresa sanitária. Verita, II (17) 255-229.

Porto, D., Garrafa, V. (2011). A influência da Reforma Sanitária na construção das bioéticas brasileiras. Cien Saúde Col., 16 (1) 719-795.

Junges, J. R., Zoboli, E. L. C. (2012). Bioética e saúde coletiva: convergências epistemológicas. Cien Saúde Col., 17 (4) 1049-1060.

Zoboli, E. L. C. P. (2009). Bioética e atenção básica: para uma clínica ampliada, uma Bioética clínica amplificada. O Mundo da Saúde, 33 (2) 195-204.

Santos, I., Shimizu, H. E., Garrafa, V. (2014). Bioética de intervenção e pedagogia da libertação: aproximações possíveis. Rev. Bioética, 22 (2) 271-281.

Brasil. MS. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de saúde (2012). [Acessado 2014 out 23]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Brasil. MS. Ministério da Saúde. Plataforma Brasil (2014). [Acessado 2014 set 01]. Disponível em: www.saude.gov.br/plataformabrasil.

Marinho, S., Costa, A., Palácios, M., Rego, S. (2014). Implementação de comitês de bioética em hospitais universitários brasileiros: dificuldades e viabilidades. Rev. Bioét., 22 (1) 105-115.

Gonçalves, E. R., Ramos, F. R., Garrafa, V. (2010). O olhar da bioética de intervenção no trabalho do cirurgião-dentista do Programa Saúde da Família (PSF). Rev. Bioética, 18 (1) 225-239.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. [Acessado 2015 set 10]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L8142.htm.

Zanetti, C. H., Tannous, G. S. (2015). Sob a pele do PL 200/2015 do Senado Brasileiro. Rev. Epidemiol. Serv. Saúde, 24 (4) 789-794.

Hellmann, F. (2014). O princípio da ética médica. Conecthos, 2 8-213.

Hugo, F. J. (2002). Bioética e comissões nacionais no Estado brasileiro. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- graduação em Ciências da Saúde, Área de Concentração Bioética, da Universidade de Brasília, como requisito para obtenção do grau de Mestre. Brasília.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Recomendação CFM nº 8/2015. [Acessado 2015 set 10]. Disponível em: http://portal.cfm.org.br/images/Recomendacoes/8_2015.pdf.

Junges, J. R., Zoboli, E. L. C., Patuss, M. P., Schaefer, R., Nora, R. (2014). Construção e validação do instrumento “inventário de problemas éticos na atenção primária em saúde”. Rev. Bioét., 22 (2) 309-317.

Jungues, J. R., Barbiani, R., Zoboli, E. L. C. P. (2015). Planejamento estratégico como exigência ética para a equipe e a gestão local da Atenção Básica em Saúde. Interface, 27.

Vidal, S. V., Motta, L. C. S., Gomes, A. P., Siqueira-Batista, R. (2014). Problemas bioéticos na Estratégia de saúde da família: reflexões necessárias. Rev. Bioét., 22 (2) 347-357.

Zoboli, E. L. C. (2013). Tomada de decisão em bioética clínica: casuística e deliberação moral. Rev. Bioét., 21 (3) 389-396.

Zoboli, E. L. C., Soares, F. A. C. (2012). Capacitação em bioética para profissionais da saúde da família do município de Santo André, SP. Rev Esc Enf USP, 46 (5) 1248-1253.

Kottow, M. (2011). Bioética pública: uma proposta. Rev. Bioét., 19 (1) 61-76.

Garcia-Marzá, D. (2003). La responsabilidad por la praxis: la ética discursiva como ética aplicada. In Cortina, A., Garcia-Marzá, D. Razón pública y éticas aplicadas. Madrid: Tecnos, 159-190.

Vázquez, A. S. (2007). Ética y Política. México: FCE, UAM, FF y L.

Cortina, A. (2001). Ética aplicada y democracia radical. Madrid: Tecnos.

Gracia, D. (2011). Teoría y prática de la deliberación moral. In Grandes, L. F., Gracia, D., Sánchez, M. Bioética: el estado de la cuestión. Madrid: Triacastela, 101-154.




DOI: https://doi.org/10.14422/rib.i04.y2017.009

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Revista Iberoamericana de Bioética (ISSN 2529-9573) editada por Universidad Pontificia Comillas se encuentra bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional
 

Revista Iberoamericana de Bioética

Universidad Pontificia Comillas

Universidad de Comillas, 3-5 - 28049 Madrid